Os 80 anos do Fantasma

Postado originalmente em Omelete.com por Marcelo Hessel

Criado pelo americano Lee Falk em 1936 – mais precisamente em uma tira de jornal que começou a ser publicada em 17 de fevereiro daquele ano, há oito décadas – o Fantasma foi o primeiro aventureiro mascarado dos quadrinhos, trazendo em si vários dos elementos que depois consagrariam os super-heróis das HQs, a começar pelo uniforme colante. Se o seu contemporâneo Flash Gordon ajudou a moldar as óperas espaciais do século 20, a figura do vigilante que responde a um chamado primal deve muito ao Fantasma. Continuar lendo

Anúncios

Aprenda a Discordar Usando a Lógica do Papel-Higiênico

Postado originalmente em Updateordie por Wagner Brenner

Qual é a forma certa de se colocar um rolo de papel higiênico no banheiro?

papel2

POR CIMA!

60% das pessoas têm a certeza absoluta que o certo é o estilo “cachoeira”, com o papel saindo por cima. É mais fácil achar a ponta, dá pra rasgar certinho no picote, não fica raspando a mão na parede (menos bactérias!) e hotéis podem sinalizar aos seus hóspedes que o banheiro foi higienizado, com dobras elaboradas ou colando selinhos.

Continuar lendo

O que é filosofia, afinal?

Postado originalmente em Paulo Ghiraldelli – Filosofica como Crítica Cultural por Paulo Ghiraldelli

Tenho notado que há uma certa dificuldade do público atual em entender o que faz um filósofo. Isso não é de se estranhar. No mundo todo é assim. Creio que há mais imagens de anedotas, caricaturas e mal entendidos sobre a tarefa do filósofo do que há sobre qualquer outra atividade humana. O que não deveria mais ocorrer é vermos tais coisas distorcidas comandarem a cabeça de gente escolarizada, às vezes já até com uma faculdade nas costas.

Resolvi colocar um subtítulo neste meu blog/site, para ver se ajuda: “filosofia como crítica cultural”. Sim, pois há basicamente três tipos de trabalho em filosofia. Particularmente faço os três, mas não nos mesmos lugares. Continuar lendo

Justiça manda tirar do ar o WhatsApp no Brasil

Postado originalmente em Meio Bit.

Censura nunca mais outra vez

Em um mundo ideal as necessidades da maioria se imporiam sobre as necessidades da minoria, ou de um, mas no Brasil fala mais alto quem tem dinheiro ou poder, e milhões são calados por vontade de alguns incomodados bem-posicionados.

Não é uma questão de “elites”, o brasileiro é por natureza um pequeno ditador, qualquer desentendimento e a reação é tentar calar o outro, seja roubando senha no Facebook, denunciando página ou criando petições para a Band tirar do ar oPânico, por causa de um quadro ruim feito por dois retardados. Continuar lendo

Criticar o senso comum tornou-se… senso comum!

Postado originalmente em Problemas Filosóficos por Alexandre N. Machado

Quando somos introduzidos à filosofia, nossos professores geralmente repetem incansavelmente que ser filósofo é, entre outras coisas, ser crítico. Algumas vezes se explica corretamente o que é ser crítico e nenhum grande problema nasce dessa promoção do espírito crítico. Mas, com muita frequência, se usa “crítico” como sinônimo de “contestador”. Continuar lendo

The New York Times detona a Globo: “TV que ilude o Brasil”

Publicado originalmente em pragmatismopolitico.com.br

A jornalista Vanessa Barbara apresentou uma dura crítica à Rede Globo em sua coluna no The New York Times na última semana.

No artigo traduzido e veiculado no Brasil pelo UOL, a também colunista do Estadão e editora do site literário “A Hortaliça”, analisou um dia de programações da emissora e descreveu o ato de assistir ao canal como “se acostumar a chavões e fórmulas cansadas”.

As críticas vão dos telejornais aos talk shows e novelas.

Continuar lendo

A Síria e o intitulado Estado Islâmico (ISIS): Guia do que está acontecendo

Postado originalmente em papodehomem.com.br por Jader Pires

O intitulado Estado Islâmico não é um Estado de fato e não pode ser confundido com o islamismo. É muito importante eu começar este texto dessa forma para que não haja confusão de informações.

Não há um país ou território desse grupo para ser tido como Estado – “forma organizada de um povo, que mora no mesmo território e obedece às mesmas leis”, segundo o Dicionário Criativo – e não representa, mas nem de longe, a fé da religião islâmica.

Continuar lendo